[Análise] Transformers: War of Cybertron – A história antes de Michael Bay

A nostalgia, muitas vezes, pode atrapalhar o discernimento de uma situação. Esse sentimento, ou melhor, a volta das sensações  de outrora  carrega, também, uma soma de tudo aquilo que vivenciamos ao longo dos anos.

Desde os primeiros vídeos de Transformers: War of Cybertron, tinha certeza que o game remeteria a minha infância. E assim foi. Aguardava ansioso pelo lançamento, afinal, a proposta era bem tentadora, principalmente para quem se esbaldava na década de 80 com os desenhos originais. Imaginar a Terra Natal dos Autobots é, no mínimo, fascinante, ainda mais se levarmos em conta que o jogo é de tiro em 3º pessoa e elaborado com a Unreal Engine Technology (…lembra Gears of War???).

A história está embasada na guerra civil entre Autobots e Decepticons em Cybertron. A disputa pelo poder faz com que Megatron tente, com muita força, destruir o legado dos Prime. A High Moon Studios, responsável pelo game, teve a missão de criar um mundo totalmente automatizado, pensando nas premissas que regem todo o pressuposto da série. Logo no início podemos escolher por qual lado gostaríamos de lutar.  São cinco fases de cada grupo, mas, respeitando a cronologia do enredo, é interessante escolher, primeiramente, os Decepticons.

O roteiro não possui nada de especial. A base de todo game está nas desavenças e nas conquistas de um ou outro grupo.  É até previsível, contudo, se olharmos para o viés da localização temporal da história, vemos que, as minúcias  encotnradas ao longo da jornada remetem ao que esperamos desse título.

Certos momentos, para quem acompanhou a série ou delirou nos filmes, são emocionantes. Um desses pontos altos é o resgate de Ômega Supreme, na fase dos Autobots. É algo semelhante ao resgate de Bumblebee no primeiro filme.

Outro ponto importante para destaque é a composição dos cenários. Cada centímetro foi calculado para uma imersão satisfatória no universo de Cybetron. Entretanto, ao longo da jornada, temos a sensação de mesmice e que poderiam ter pensado em explorar mais a fundo as transformações do ambiente.

O som está bem mixado, mas só. Ainda acho o Dead Space o game a ser batido. Por outro lado, ter a voz de Peter Cullen no Optimus Prime é sensacional. As frases marcantes da série estão por toda a parte e novamente a nostalgia toma conta da jogatina.

Os controles estão precisos, mas precisam de um bom tempo para o aprendizado dos comandos. Usamos todos os botões e isso, para jogadores inexperientes, pode complicar. Senti falta dos controles soberbos da série Gears Of War. Depois de um certo tempo jogando (e algumas mortes nefastas) pegamos o jeito. Ou seja, não compromete a experiência.

As armas deixam a desejar. Mesmo carregando duas diferentes, senti pela falta de variedade e funcionalidade de algumas. Estamos falando de Transformers e a complexidade do seu arsenal deve ser levado em conta. Afinal, não é qualquer espécie que configura seu corpo na própria arma.

Apesar de algumas pequenas falhas, Transformers: War of Cybertron é um jogo interessante. Possui um multiplayer online funcional, gráficos competentes, Peter Cullen e o carisma de Bumblebee. E o melhor, não foi embasado em nenhum filme, só na mente de fanáticos pela história, assim como eu. Vale a pena!!

Transformers: War of Cybertron está disponível para Xbox 360, PC, PS3 e DS.

Gráfico – 8

Som – 7.5

Desafio – 8

Enredo – 7

Jogabilidade – 8

Diversão – 8.5

Final –  7.8

Anúncios

2 Respostas

  1. Olá Rodrigo! Parabéns pela análise!

    Tenho uma dúvida: Para elaborar essa análise foi jogada qual versão do jogo? Digo isso porque comprei a versão PC de TWFC e devo discordar totalmente de uma de suas afirmações finais, dizendo que "Possui um multiplayer online funcional". Isso, pelo menos no PC, é mentira.

    Faz semanas que comprei o jogo, e sequer consigo criar uma conta. Sempre dá erro de servidor e em seguida eu consigo criar um nome. Estando aparentemente logado, entro no multiplayer e recebo a seguinte mensagem:

    "Error: must be connected to the internet in order to play"

    WTF, mas é claro que esto conectado (o jogo está no Steam), e até hoje gastei 40 dólares por um jogo que me deixou na mão. Pesquisando na internet sobre o problema, muitos jogadores passam o mesmo em todo o mundo, e também há fortes indícios de hackers que infestaram o jogo nos primeiros dias de seu lançamento, assim como Blur (da mesma distribuidora). Vale lembrar também que o conteúdo extra por DLC foi confirmado pela Actvision sendo exclusivo de console, logo, jogadores trouxas de PC que gastaram esse dinheiro no original não terão o conteúdo.

    A despeito do descaso que a plataforma PC possui perante produtoras, devo dizer que adorei esse jogo e sou fã de Transformers. Foi uma obra à altura da consagrada série animada, que podemos comparar com Batman: Arkham Asylum (se esquecermos os defeitos do multiplayer).

    Transformers, roll out!

  2. Opa… joguei a versão do 360. Ouvi falar, sim, de muitos problemas no online. Uma pena. uma pena ainda maior ver esse descaso… Impressionante…

    Sei que perde um pouco da graça mas infelizmente esses problemas estão sempre nos importunando!! Espero que resolva, se não, me mantenha informado e vamos buscar a solução!! Abraço e obrigado pelo elogio!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: